terça-feira, 30 de novembro de 2010

Sempre ouvi dizer que o verdadeiro amigo não é aquele que nos alegra com mentiras, mas sim aquele que nos ofende com as verdades.  Mas na hora de as ouvirem (verdades) ficam chocados , bloqueiam , vêem-nos com outros olhos , passamos a ser a pessoa que nos aponta o dedo. A função deste dedo não é condenar . É  fazer, é pô-los no caminho certo e reconstruir todas as margens para que de lá , não saiam. E o verdadeira amigo reconheçe esse dedo protector. Reconheçe o sentido da palavra. Quando não reconheçe , aí se encontra o problema. Aí começam os boatos , mexericos paralelos , a indiferença e a ingratidão. Ah , como eu odeio a ingratidão . Deve ser dos sentimentos mais repugnantes. Já ouvi chamarem-lhe deficiência , mas as decepções oriundas da ingratidão , a mim não me amedronta , nem retira a vontade de me sentir bem pelo bem que fiz. Se tudo o que fiz é esqueçido por um, outro se lembrará de apreciar o que faço por quem amo. Nunca fui pessoa de pedir em troca todo o apoio que prestei. Mas sempre fui pessoa de avaliar quem o faz por querer , e quem o faz por dever. Não digo que odeio , mas não gosto de nos momentos tristes ter alguém que diga : "o que fizeres eu apoio-te". Gosto que me digam , : "não digas/penses/faças isto. Está mal , estás a ser insensata  , até mesmo burra. Erraste , estás errada e só tens de mudar. Não por mim , mas por ti. " Como eu adoro ouvir isto. Porque sei que se for dito de um amigo, (e sublinho amigo), é a melhor coisa para me por nos eixos. Cansei de infantilidades , amuos , criançisses . Cansei do amo-te como palavra banal. Percebi que não amo metade das pessoas a quem digo que sim . Percebi que metade das pessoas que mais me orgulhei , são as que mais me desiludem. Percebi , que as amizades instântaneas , por mim não passam e que não vou cair em desgostos emocionais por quem não mereçe . Percebi que não sou criança nenhuma para aguentar descontrolos de carácter. Não aguento , nem tolero.Mas também sempre ouvi dizer , que as amizades renovadas exigem mais cuidados do que aquelas que nunca foram interrompidas.  Mas poucos sentem a necessitade de a renovar.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

‎"Não digas tudo quanto sabes, não faças tudo quanto podes,



 não creias em tudo quanto ouves, não gastes tudo quanto tens,
 porque...quem diz tudo quanto sabe, quem faz tudo quanto pode,
 quem crê em tudo quanto ouve, quem gasta tudo quanto tem,
 muitas vezes, diz o que não convém, faz o que não deve,
 julga o que não vê, gasta o que não pode."


segunda-feira, 1 de novembro de 2010

 

"Por tão extenso

universo vagueio,

não me encontro, 

somente sei que

permaneço."